ANUNCIAD

ALDANN CONSTRUÇÕES

ALDANN CONSTRUÇÕES
TEL: (84) 4008-3800

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

A REGIÃO DE FLANDRES E O SEPARATISMO NA BÉLGICA

  Flandres é uma região localizada no norte da Bélgica. Nessa região, a língua predominante é o holandês (neerlandês), embora o dialeto local desta língua seja conhecida popularmente por flamengo, mesmo nome dado aos seus habitantes. Considera-se que o flamengo e o holandês seja uma mesma língua, embora com algumas variações regionais ao nível da terminologia. Ao sul da Bélgica, encontra-se a região da Valônia.
  A população flamenga é de origem predominantemente holandesa e a sua gênese remonta ao período em que Flandres ainda fazia parte dos Países Baixos (popularmente conhecida como Holanda). Há também uma diversidade de povos vindos de diferentes partes do mundo.
Mapa da Bélgica
  Durante a ocupação espanhola, muitos protestantes abandonaram a região (que hoje possui uma maioria católica) e mudaram-se para a República das Sete Províncias Unidas dos Países Baixos. Historicamente, a região de Flandres não possui uma religião oficial, mas predomina o catolicismo.
  Flandres é uma região administrativa e política belga criada desde a criação do país. Possui um governo, parlamento e receitas próprias, e tem procurado maior autonomia, sendo atualmente a de maior poder econômico da Bélgica.
  Flandres é dividido em províncias, cada uma com uma cidade principal. As províncias com suas respectivas capitais são: Antuérpia (Antuérpia), Limburgo (Hasselt), Flandres Oriental (Gent), Flandres Ocidental (Bruges) e Brabante Flamengo (Leuven). A capital da Bélgica, Bruxelas, é uma região autônoma, mas se localiza na região de Flandres.
Mapa da Bélgica dividido em regiões
  Devido sua localização estratégica (bem no meio das rotas comerciais da Europa e com a presença de grandes portos), Flandres tem uma história marcada por mudanças de poder,  conquistas e casamentos com intuitos políticos.
  Essa região da Bélgica é bastante famosa por sua arte flamenga (grande produção de cerveja artesanal, chocolate e a famosa Folha-de-Flandres) e por ser o berço de famosos artistas de estilo, principalmente grandes pintores (Jan Gossaert, Joachim Patinir, Jean Clouet, Rosso Fiorentino, Francesco Primaticio, Eyck, Rogier van de Weyden, Peter Paul Rubens, Hans Memling, Hugo van der  Goes, Hieronymus Bosch, Peter Bruegel, dentre outros).

Caronte atravessando o Estige, obra de Joachim Patinir
  As cidades de Flandres preservam toda a riqueza de sua história, do seu legado cultural e sua identidade. Pode-se visitar castelos e ver  as majestosas casas das guildas medievais em Bruxelas ou Antuérpia, dentre outras centenas de atrações.
  Todos os monumentos e locais de interesse estão concentrados numa pequena área, o que facilita o passeio, seja qual for a cidade escolhida. Flandres é também é famosa pela sua cerveja, pelos seus deliciosos chocolates e queijos e por sua fina culinária.
A Descida da Cruz - obra de Peter Paul Rubens, e que está exposta na Catedral de Antuérpia
  Conhecida por sua cultura da moda e como o centro mundial de diamantes, Antuérpia fica a cerca de 46 quilômetros da capital Bruxelas. Possui uma população de 523.432 habitantes (estimativa 2018) e é a cidade do pintor Peter Paul Rubens.
  Os principais pontos turísticos da cidade são: a Estação Central - Antwerpen Centraal Station - (construída no século XIX e considerada a mais bonita da Europa), o Castelo Het Steen (construído no início da Idade Média, é considerada a construção mais antiga da cidade), a Catedral de Nossa Senhora (Onze Lieve Vrouwekathedraal - construída no século XIV, possui uma torre de 123 metros de altura), o Forte Steen, o Grote Maarkt, entre outras.
Castelo Het Steen
O SEPARATISMO BELGA
  A história da fundação da Bélgica como país promoveu o surgimento de movimentos separatistas flamengos e valões. Do lado de Flandres, partidos como o Nieuw-Vlaamse Alliantie (Nova Aliança Flamenga) e o extremamente conservador Vlaams Belang (Interesse Flamengo) lutam pela separação da região.
  Questões socioeconômicas e étnicas são as principais causas da tensão entre duas regiões na Bélgica. Ao norte predomina a comunidade flamenga, na região de Flandres. Por meio de seu partido conservador, os flamengos querem a separação da região sul, conhecida como Valônia, onde a maioria da população é de origem francesa.
Antuérpia - Bélgica
  Esta questão tem sua gênese no passado da Bélgica, quando a Valônia era a região mais rica e o seu povo menosprezava Flandres e tudo o que dela vinha, pelo fato de se considerar que os flamengos eram de condições mais modestas. Nesse período, os flamengos foram oprimidos por falarem uma língua diferente do francês, considerada como inferior, e possuíam poucos ou quase nenhum direito civil, se comparados com os seus compatriotas da Valônia. Quando a situação se inverteu, muitos flamengos que se sentiam injustamente oprimidos, adotaram uma posição radical.
Boom - Bélgica
  Uma das grandes questões discutidas hoje é o conservadorismo dos valões. Apesar de o holandês ser uma das línguas oficiais da Bélgica, poucos francófonos fazem questão de o aprender, optando até mesmo pelo inglês, quando se trata de se comunicar com seus compatriotas do norte. Em contrapartida, os flamengos esforçam-se por aprender o francês (língua oficial da Valônia), assim como o alemão, que é falado em uma pequena parte do país (numa zona junto à fronteira alemã e que faz, oficialmente, parte da Valônia).
Grote Maarkt - Antuérpia
  Esta complexa situação está na origem da profunda crise política vivida pela Bélgica desde 2009, cujo aspecto mais visível é a dificuldade em constituir governo (como aconteceu em 2010-2011, quando o país ficou 541 dias sem governo). Entre os flamengos verifica-se uma significativa tendência para se defender a separação da Bélgica, ou seja, para obter a independência total de Flandres. A maioria, no entanto, rejeita esta solução, sendo favorável a uma maior autonomia. Por outro lado, existem camadas da juventude belga, tanto na Valônia como em Flandres, que começaram a manifestar-se em 2011 contra o bloqueio político provocado pelo conflito entre as regiões, ridicularizando-o sob a designação de "guerra das batatas fritas".
Essen - Bélgica
  Embora a dissolução de um Estado-membro da União Europeia levaria a admissão automática de estados resultantes, existem na Europa discrepâncias sobre a sua adequação, pois acredita que poderia ser o caminho para continuar a encorajar o separatismo em outras regiões, como o País Basco e a Catalunha na Espanha, ou a Escócia no Reino Unido.
  Em relação a isto e, dada a heterogeneidade cultural da população belga e suas semelhanças respectivas com os países próximos, alguns círculos conservadores propõem a dissolução da Bélgica e sua integração com os países vizinhos: Flandres aos Países Baixos, Valônia à França e a comunidade germanófona do leste da Valônia à Alemanha. Propõe-se também que, em tal caso, a cidade de Bruxelas se torne um assunto federal, administrado diretamente pela União Europeia, que agiria como a capital do bloco.
Bruxelas - capital da Bélgica
REFERÊNCIA: Projeto Apoema geografia 9 / Cláudia Magalhães... [et al]. -- 2. ed. -- São Paulo: Editora do Brasil, 2015. -- (Projeto Apoema; v.9).