ALDANN CONSTRUÇÕES

ALDANN CONSTRUÇÕES
TEL: (84) 4008-3800

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

PORTO RICO: ESTADO ASSOCIADO AOS ESTADOS UNIDOS

  Porto Rico ou Estado Livre Associado de Porto Rico é um território sem personalidade jurídica dos Estados Unidos. Está localizado na parte oriental do mar do Caribe, a leste da República Dominicana e a oeste das Ilhas Virgens Britânicas. É composto por um arquipélago, que inclui a ilha de Porto Rico e uma série de ilhas menores, a maior das quais são Vieques, Culebra e Mona.
  Desde 1947, os porto-riquenhos podiam escolher seu próprio governador. O status político da ilha, de independência ou por se tornar parte dos Estados Unidos, é um assunto de grande debate local. Em 6 de novembro de 2012, durante a realização de um referendo popular, cerca de 65% da população do território aprovou elevar seu status a parte integral do território americano como um Estado, dependendo apenas da aprovação do Congresso dos Estados Unidos.
Localização de Porto Rico
HISTÓRIA
  Em seus primórdios, Porto Rico foi habitado por populações que vieram da região da bacia do Orinoco, situado na América do Sul. Com o passar do tempo e a chegada de outros povos, ali se desenvolveu a chamada cultura taino.
  Conquistado pela Espanha em 1493, a ilha de Porto Rico foi colônia espanhola até 1898. Naquele ano a Espanha foi derrotada pelos Estados Unidos numa guerra de disputa por territórios e teve de abandonar a ilha, anexada em seguida pelos Estados Unidos. Desde então, Porto Rico passou a ser um Estado associado aos Estados Unidos.
  Seguindo uma tendência comum ao processo de colonização, Porto Rico também teve a sua história marcada pela exploração da mão de obra indígena e o desenvolvimento das atividades missionárias da Igreja. A conflituosa relação com os europeus acabou provocando a morte de milhares de nativos. Com o passar do tempo, os espanhóis se viram forçados a importar escravos africanos que também marcaram a formação do povo porto-riquenho.
Quadro que mostra a escravidão em Porto Rico
  Por conta de suas riquezas e a evidente localização estratégica, Porto Rico foi alvo de várias tentativas de invasão por parte de outras nações mercantilistas. Em 1528, um grupo de corsários franceses penetraram no território impondo o saque e a destruição do vilarejo de San Germán, na porção sudoeste do território. Nos fins do século XVI, um grande ataque fora organizado pelos ingleses. No século XVII, os holandeses também organizaram ações militares.
  No século XIX, durante as invasões napoleônicas, a população porto-riquenha se mobilizou em torno de organizações políticas autônomas que deveriam conter o avanço dos franceses. Essas organizações deram passos importantes para a independência política e econômica após empreender a abertura de seus portos.
  Após a queda de Napoleão, o movimento autonomista de Porto Rico se desarticulou com a reconstrução do antigo acordo colonial. Em 1868, uma tentativa de revolução se desenhou com a revolta denominada "Grito de Lares", que provocou uma série de reformas liberais na Espanha e provocou o fim da escravidão.
San Germán - Porto Rico
  Em 1897, o governo espanhol abriu caminho para uma independência relativa ao oficializar a chamada Carta Autonômica. Através desse documento, o comércio com outras nações foi definitivamente liberado. Porém, o governo espanhol assegurava alguns direitos que limitavam essa independência concedida, o que levou alguns grupos favoráveis à independência definitiva acionarem o apoio dos norte-americanos para que o domínio espanhol fosse extinto.
  A partir desse momento, a independência de Porto Rico seria sustentada à custa da intervenção política e econômica dos Estados Unidos. Até as primeiras décadas do século XX, a nação porto-riquenha partilhou a mesma bandeira e moeda dos Estados Unidos.
  A partir de 1917 os nativos de Porto Rico se tornaram cidadãos americanos. Por não fazerem parte da União, os residentes de Porto Rico não podem votar para presidente, mas podem votar nas eleições primárias presidenciais dos Estados Unidos.
  A condição de Estado associado significa que a população de Porto Rico tem cidadania estadunidense. Além disso, as questões mais importantes relativas à defesa, às relações exteriores e à economia são administradas pelos Estados Unidos.
  Desde 1952, os porto-riquenhos podem eleger um governo próprio, que administra o país - de forma restrita - em algumas áreas, como a educação, a saúde e a infraestrutura. Na década de 1950, a ação intervencionista norte-americana foi respondida com uma revolta popular conhecida como o "Grito de Jayuya". Por meio de pesada e violenta ação militar, os Estados Unidos evitaram que o levante se propagasse.
Soldados norte-americanos combatendo os rebeldes durante o Grito de Jayuya
  Tido como "Estado Livre Associado" aos Estados Unidos, muitos porto-riquenhos acreditam que a autonomia do país esteja incompleta. Vários plebiscitos realizados aprovam a manutenção dessa condição política singular. No ano de 2003, autoridades políticas dos Estados Unidos assumiram a existência de uma condição colonial em Porto Rico. Nesse mesmo ano, os Estados Unidos se viram obrigados a desativar uma base militar na cidade de Vieques, após uma bomba lançada de um posto de observação matar um civil. Em 2005, membros do FBI descobriram o esconderijo do líder revolucionário Filiberto Ojeda. Durante troca de tiros ele acabou sendo morto pelos agentes norte-americanos.
  Atualmente, Porto Rico vive uma situação política extremamente contraditória. Uma parte da população acredita que a proximidade com os Estados Unidos oferece um tipo de salvaguarda à condição política e econômica do país. Por outro lado, ações norte-americanas e a demanda por autonomia plena incitam outros a defender uma ruptura definitiva.
Porto-riquenhos protestam nas ruas de San Juan pela independência
ECONOMIA
  A economia do país continua sob controle de empresas estadunidenses. Um exemplo é a grande maioria dos bancos e de outras grandes corporações empresariais dos Estados Unidos que mantém filiais e praticamente monopolizam todos os ramos da economia de Porto Rico.
  Porto Rico possui uma das economias mais dinâmicas e diversificadas da América Latina. Em meados do século XX, a economia porto-riquenha estava dominada pela agricultura, especialmente o cultivo da cana-de-açúcar. A partir da segunda metade desse século, grandes investimentos em infraestrutura e extensos programas de incentivo conseguiram transformar consideravelmente a sua economia. Desde 1960, numerosas empresas transnacionais das indústrias farmacêutica, eletrônica, têxtil, petroquímica e da biotecnologia estabeleceram-se no território porto-riquenho.
  Atualmente, as manufaturas e o setor de serviços - principalmente o turismo - têm substituído a agricultura como principal fonte de divisas. A pecuária bovina e a indústria de laticínios tomaram o lugar da indústria açucareira.
As belezas naturais de Porto Rico são bastante importantes para o turismo
ALGUNS DADOS SOBRE PORTO RICO
NOME: Estado Livre Associado de Porto Rico
CAPITAL: San Juan
Parte de San Juan - capital de Porto Rico
GENTÍLICO: porto-riquenho
LÍNGUA OFICIAL: espanhol e inglês
GOVERNO: Commonwealth (Comunidade Britânica de Nações) e território não incorporado dos Estados Unidos
DEPENDÊNCIA: dos Estados Unidos
Autonomia: 25 de julho de 1952
LOCALIZAÇÃO: parte oriental do Mar do Caribe
ÁREA: 9.104 km (164°)
POPULAÇÃO (ONU - Estimativa 2013): 3.957.098 habitantes (126°)

DENSIDADE DEMOGRÁFICA: 434,65 hab./km² (15°)
MAIORES CIDADES (Estimativa 2013):

San Juan: 462.879 habitantes
San Juan - capital e maior cidade de Porto Rico
Bayamón: 263.451 habitantes
Bayamón - segunda maior cidade de Porto Rico
Ponce: 195.412 habitantes
Ponce - terceira maior cidade de Porto Rico
PIB (Banco Mundial - 2013): U$ 98,001 bilhões (58°)
IDH (ONU - 2013): 0,867 (28°)
EXPECTATIVA DE VIDA (ONU - 2012): 78,70 anos (33°)
CRESCIMENTO VEGETATIVO (ONU - 2005/2010): 0,55% ao ano (160°)
TAXA DE FECUNDIDADE (CIA World Factbook - 2013): 1,64 (177°)
MORTALIDADE INFANTIL (CIA World Factbook - 2012): 7,59/mil (44°). Obs: essa mortalidade é contada de menor para o maior.
TAXA DE ALFABETIZAÇÃO (CIA World Factbook - 2011): 94,1% (38°) Obs: essa taxa se refere a todas as pessoas com 15 anos ou mais que sabem ler e escrever.
TAXA DE URBANIZAÇÃO (Pnud - 2009/2010): 98% (4°)
PIB PER CAPITA (CIA World Factbook - 2013): U$ 23.500 (33°)
MOEDA: Dólar americano
RELIGIÃO: protestantes (53,9%), católicos (40,6%), espírita (3%), sem religião (2%), outras religiões (0,5%).
DIVISÃO: Porto Rico é dividido em 78 municípios que estão agrupados em oito distritos eleitorais.
Mapa político de Porto Rico
  Os distritos eleitorais com seus respectivos municípios são:
1. Distrito Eleitoral de San Juan - San Juan
2. Distrito Eleitoral de Bayamón - Bayamón, Cataño, Guaynabo e Toa Baixa
3. Distrito Eleitoral de Arecibo - Arecibo, Barcelona, Camuy, Ciales, Dorado, Florida, Hatillo, Manati, Quebradillas, Toa Alta, Vega Alta e Vega Baixa
4. Distrito Eleitoral de Mayaguez - Aguada, Aguadilla, Añasco, Cabo Rojo, Hormigueros, Isabela, Las Marias, Mayaguez, Moca, Rincón, San Germán e San Sebastián
5. Distrito Eleitoral de Ponce - Adjunta, Guanica, Guayanilla, Juyuya, Lajas, Lares, Maricao, Peñuelas, Ponce, Sabana Grande, Utuado e Yauco
6. Distrito Eleitoral de Guayana - Aibonito, Barranquitas, Cayey, Cidra, Coamo, Comerio, Corozal, Guayama, Juana Díaz, Morovis, Naranjito, Orocovis, Salinas, Santa Isabel e Villalba
7. Distrito Eleitoral de Humacao - Aguas Buenas, Arroyo, Caguas, Gurabo, Humacao, Juncos, Las Piedras, Maunabo, Naguabo, Patillas, San Lorenzo e Yabucoa
8. Distrito Eleitoral de Carolina - Canóyanas, Carolina, Ceiba, Culebra, Fajardo, Loíza, Luquillo, Rio Grande, Trujillo Alto e Vieques.
Carolina - quarta maior cidade de Porto Rico
FONTE: Tamdjian, James Onnig. Estudos de geografia: o espaço do mundo I, 8º ano / James Onnig Tamdjian, Ivan Lazzari Mendes. - São Paulo: FTD, 2012.

PORTO RICO: ESTADO ASSOCIADO AOS ESTADOS UNIDOS

  Porto Rico ou Estado Livre Associado de Porto Rico é um território sem personalidade jurídica dos Estados Unidos. Está localizado na parte oriental do mar do Caribe, a leste da República Dominicana e a oeste das Ilhas Virgens Britânicas. É composto por um arquipélago, que inclui a ilha de Porto Rico e uma série de ilhas menores, a maior das quais são Vieques, Culebra e Mona.
  Desde 1947, os porto-riquenhos podiam escolher seu próprio governador. O status político da ilha, de independência ou por se tornar parte dos Estados Unidos, é um assunto de grande debate local. Em 6 de novembro de 2012, durante a realização de um referendo popular, cerca de 65% da população do território aprovou elevar seu status a parte integral do território americano como um Estado, dependendo apenas da aprovação do Congresso dos Estados Unidos.
Localização de Porto Rico
HISTÓRIA
  Em seus primórdios, Porto Rico foi habitado por populações que vieram da região da bacia do Orinoco, situado na América do Sul. Com o passar do tempo e a chegada de outros povos, ali se desenvolveu a chamada cultura taino.
  Conquistado pela Espanha em 1493, a ilha de Porto Rico foi colônia espanhola até 1898. Naquele ano a Espanha foi derrotada pelos Estados Unidos numa guerra de disputa por territórios e teve de abandonar a ilha, anexada em seguida pelos Estados Unidos. Desde então, Porto Rico passou a ser um Estado associado aos Estados Unidos.
  Seguindo uma tendência comum ao processo de colonização, Porto Rico também teve a sua história marcada pela exploração da mão de obra indígena e o desenvolvimento das atividades missionárias da Igreja. A conflituosa relação com os europeus acabou provocando a morte de milhares de nativos. Com o passar do tempo, os espanhóis se viram forçados a importar escravos africanos que também marcaram a formação do povo porto-riquenho.
Quadro que mostra a escravidão em Porto Rico
  Por conta de suas riquezas e a evidente localização estratégica, Porto Rico foi alvo de várias tentativas de invasão por parte de outras nações mercantilistas. Em 1528, um grupo de corsários franceses penetraram no território impondo o saque e a destruição do vilarejo de San Germán, na porção sudoeste do território. Nos fins do século XVI, um grande ataque fora organizado pelos ingleses. No século XVII, os holandeses também organizaram ações militares.
  No século XIX, durante as invasões napoleônicas, a população porto-riquenha se mobilizou em torno de organizações políticas autônomas que deveriam conter o avanço dos franceses. Essas organizações deram passos importantes para a independência política e econômica após empreender a abertura de seus portos.
  Após a queda de Napoleão, o movimento autonomista de Porto Rico se desarticulou com a reconstrução do antigo acordo colonial. Em 1868, uma tentativa de revolução se desenhou com a revolta denominada "Grito de Lares", que provocou uma série de reformas liberais na Espanha e provocou o fim da escravidão.
San Germán - Porto Rico
  Em 1897, o governo espanhol abriu caminho para uma independência relativa ao oficializar a chamada Carta Autonômica. Através desse documento, o comércio com outras nações foi definitivamente liberado. Porém, o governo espanhol assegurava alguns direitos que limitavam essa independência concedida, o que levou alguns grupos favoráveis à independência definitiva acionarem o apoio dos norte-americanos para que o domínio espanhol fosse extinto.
  A partir desse momento, a independência de Porto Rico seria sustentada à custa da intervenção política e econômica dos Estados Unidos. Até as primeiras décadas do século XX, a nação porto-riquenha partilhou a mesma bandeira e moeda dos Estados Unidos.
  A partir de 1917 os nativos de Porto Rico se tornaram cidadãos americanos. Por não fazerem parte da União, os residentes de Porto Rico não podem votar para presidente, mas podem votar nas eleições primárias presidenciais dos Estados Unidos.
  A condição de Estado associado significa que a população de Porto Rico tem cidadania estadunidense. Além disso, as questões mais importantes relativas à defesa, às relações exteriores e à economia são administradas pelos Estados Unidos.
  Desde 1952, os porto-riquenhos podem eleger um governo próprio, que administra o país - de forma restrita - em algumas áreas, como a educação, a saúde e a infraestrutura. Na década de 1950, a ação intervencionista norte-americana foi respondida com uma revolta popular conhecida como o "Grito de Jayuya". Por meio de pesada e violenta ação militar, os Estados Unidos evitaram que o levante se propagasse.
Soldados norte-americanos combatendo os rebeldes durante o Grito de Jayuya
  Tido como "Estado Livre Associado" aos Estados Unidos, muitos porto-riquenhos acreditam que a autonomia do país esteja incompleta. Vários plebiscitos realizados aprovam a manutenção dessa condição política singular. No ano de 2003, autoridades políticas dos Estados Unidos assumiram a existência de uma condição colonial em Porto Rico. Nesse mesmo ano, os Estados Unidos se viram obrigados a desativar uma base militar na cidade de Vieques, após uma bomba lançada de um posto de observação matar um civil. Em 2005, membros do FBI descobriram o esconderijo do líder revolucionário Filiberto Ojeda. Durante troca de tiros ele acabou sendo morto pelos agentes norte-americanos.
  Atualmente, Porto Rico vive uma situação política extremamente contraditória. Uma parte da população acredita que a proximidade com os Estados Unidos oferece um tipo de salvaguarda à condição política e econômica do país. Por outro lado, ações norte-americanas e a demanda por autonomia plena incitam outros a defender uma ruptura definitiva.
Porto-riquenhos protestam nas ruas de San Juan pela independência
ECONOMIA
  A economia do país continua sob controle de empresas estadunidenses. Um exemplo é a grande maioria dos bancos e de outras grandes corporações empresariais dos Estados Unidos que mantém filiais e praticamente monopolizam todos os ramos da economia de Porto Rico.
  Porto Rico possui uma das economias mais dinâmicas e diversificadas da América Latina. Em meados do século XX, a economia porto-riquenha estava dominada pela agricultura, especialmente o cultivo da cana-de-açúcar. A partir da segunda metade desse século, grandes investimentos em infraestrutura e extensos programas de incentivo conseguiram transformar consideravelmente a sua economia. Desde 1960, numerosas empresas transnacionais das indústrias farmacêutica, eletrônica, têxtil, petroquímica e da biotecnologia estabeleceram-se no território porto-riquenho.
  Atualmente, as manufaturas e o setor de serviços - principalmente o turismo - têm substituído a agricultura como principal fonte de divisas. A pecuária bovina e a indústria de laticínios tomaram o lugar da indústria açucareira.
As belezas naturais de Porto Rico são bastante importantes para o turismo
ALGUNS DADOS SOBRE PORTO RICO
NOME: Estado Livre Associado de Porto Rico
CAPITAL: San Juan
Parte de San Juan - capital de Porto Rico
GENTÍLICO: porto-riquenho
LÍNGUA OFICIAL: espanhol e inglês
GOVERNO: Commonwealth (Comunidade Britânica de Nações) e território não incorporado dos Estados Unidos
DEPENDÊNCIA: dos Estados Unidos
Autonomia: 25 de julho de 1952
LOCALIZAÇÃO: parte oriental do Mar do Caribe
ÁREA: 9.104 km (164°)
POPULAÇÃO (ONU - Estimativa 2013): 3.957.098 habitantes (126°)

DENSIDADE DEMOGRÁFICA: 434,65 hab./km² (15°)
MAIORES CIDADES (Estimativa 2013):

San Juan: 462.879 habitantes
San Juan - capital e maior cidade de Porto Rico
Bayamón: 263.451 habitantes
Bayamón - segunda maior cidade de Porto Rico
Ponce: 195.412 habitantes
Ponce - terceira maior cidade de Porto Rico
PIB (Banco Mundial - 2013): U$ 98,001 bilhões (58°)
IDH (ONU - 2013): 0,867 (28°)
EXPECTATIVA DE VIDA (ONU - 2012): 78,70 anos (33°)
CRESCIMENTO VEGETATIVO (ONU - 2005/2010): 0,55% ao ano (160°)
TAXA DE FECUNDIDADE (CIA World Factbook - 2013): 1,64 (177°)
MORTALIDADE INFANTIL (CIA World Factbook - 2012): 7,59/mil (44°). Obs: essa mortalidade é contada de menor para o maior.
TAXA DE ALFABETIZAÇÃO (CIA World Factbook - 2011): 94,1% (38°) Obs: essa taxa se refere a todas as pessoas com 15 anos ou mais que sabem ler e escrever.
TAXA DE URBANIZAÇÃO (Pnud - 2009/2010): 98% (4°)
PIB PER CAPITA (CIA World Factbook - 2013): U$ 23.500 (33°)
MOEDA: Dólar americano
RELIGIÃO: protestantes (53,9%), católicos (40,6%), espírita (3%), sem religião (2%), outras religiões (0,5%).
DIVISÃO: Porto Rico é dividido em 78 municípios que estão agrupados em oito distritos eleitorais.
Mapa político de Porto Rico
  Os distritos eleitorais com seus respectivos municípios são:
1. Distrito Eleitoral de San Juan - San Juan
2. Distrito Eleitoral de Bayamón - Bayamón, Cataño, Guaynabo e Toa Baixa
3. Distrito Eleitoral de Arecibo - Arecibo, Barcelona, Camuy, Ciales, Dorado, Florida, Hatillo, Manati, Quebradillas, Toa Alta, Vega Alta e Vega Baixa
4. Distrito Eleitoral de Mayaguez - Aguada, Aguadilla, Añasco, Cabo Rojo, Hormigueros, Isabela, Las Marias, Mayaguez, Moca, Rincón, San Germán e San Sebastián
5. Distrito Eleitoral de Ponce - Adjunta, Guanica, Guayanilla, Juyuya, Lajas, Lares, Maricao, Peñuelas, Ponce, Sabana Grande, Utuado e Yauco
6. Distrito Eleitoral de Guayana - Aibonito, Barranquitas, Cayey, Cidra, Coamo, Comerio, Corozal, Guayama, Juana Díaz, Morovis, Naranjito, Orocovis, Salinas, Santa Isabel e Villalba
7. Distrito Eleitoral de Humacao - Aguas Buenas, Arroyo, Caguas, Gurabo, Humacao, Juncos, Las Piedras, Maunabo, Naguabo, Patillas, San Lorenzo e Yabucoa
8. Distrito Eleitoral de Carolina - Canóyanas, Carolina, Ceiba, Culebra, Fajardo, Loíza, Luquillo, Rio Grande, Trujillo Alto e Vieques.
Carolina - quarta maior cidade de Porto Rico
FONTE: Tamdjian, James Onnig. Estudos de geografia: o espaço do mundo I, 8º ano / James Onnig Tamdjian, Ivan Lazzari Mendes. - São Paulo: FTD, 2012.

domingo, 19 de outubro de 2014

A SOBREVIVÊNCIA EM REGIME DE BODE SOLTO NO SERTÃO NORDESTINO

Rebanhos resistem ao clima adverso da Caatinga e garantem sustento da população
  No semiárido nordestino, cresce a popularização das cisternas, uma solução simples e barata para captar a água da chuva que cai no telhado das casas. A construção de cisternas utiliza uma tecnologia simples e de baixo custo, na qual a água da chuva é captada do telhado por meio de calhas e armazenadas em um reservatório de aproximadamente 16 mil litros, capaz de garantir água para atender uma família de cinco pessoas em um período de estiagem de aproximadamente oito meses.
  A construção de cisternas é um projeto desenvolvido pelo Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) em parceria com a Associação Programa 1 Milhão de Cisternas (AP1MC).
  O Programa tem como público alvo as famílias rurais de baixa renda localizadas no semiárido brasileiro, região historicamente caracterizada por longos períodos de estiagem e pelas enormes dificuldades para acessar água em quantidade e qualidade suficiente para a sobrevivência.
O programa de cisternas está melhorando o acúmulo de água no Sertão
  O sanfoneiro, por sua vez, divide hoje espaço com as guitarras do estilo conhecido como "forró eletrônico" - ou "forró de plástico", na definição dos mais puristas.
  O jumento, mais conhecido no Sertão por jegue, foi durante séculos o meio de transporte oficial do sertanejo, sendo cada vez mais substituído por motos. Frequentemente, animais abandonados perambulam pelas estradas do sertão nordestino.
  Por todo o Nordeste, as patas estão sendo trocadas pelas rodas. Atualmente, as motos passaram a fazer o papel dos jumentos: transporte de carga e de gente. Muitas vezes, as leis de trânsito são desobedecidas, pois nas pequenas cidades do interior do Nordeste, a falta de equipamentos para os motoqueiros e até mesmo menores e pessoas sem habilitação, são flagradas guiando as motos.
Jumento ou jegue: é o animal símbolo do sertão nordestino
  Muita coisa mudou no sertão. Mas há, também, o que luta para permanecer o mesmo. Em meio ao clima seco, que impõe dificuldades à agricultura, o pastoreio nômade tornou-se a base da subsistência de muitos grupos. Assim, comunidades unidas por laços de compadrio e parentesco usam para esse fim áreas  não cercadas, consideradas de todos. São terras localizadas atrás das roças das famílias, ao fundo de suas casas: os chamados "fundos de pasto".
  O fundo de pasto é um modo tradicional de criar, viver e fazer em que a gestão da terra e de outros recursos naturais articula terrenos familiares e áreas de uso comum, onde se criam caprinos e ovinos à solta e em pastagem nativa.
  Desenvolvido ao longo de gerações entre os povos e comunidades tradicionais nas caatingas e cerrados nordestinos, os fundos de pasto constitui um patrimônio cultural do povo brasileiro. As comunidades de fundo de pasto integram um conjunto de forças sociais e políticas que visam instituir um novo paradigma e olhar sobre o contexto regional, substituindo a noção de "combate às secas" pela "convivência com o semiárido".
Criação de cabras em Cabaceiras - PB
  Nos fundos de pasto os animais se alimentam da própria vegetação nativa. São alguns bovinos, mas também ovelhas e, principalmente, cabras e bodes - preferidos por sua alta resistência às estiagens e boa adaptação ao consumo daquilo que a Caatinga provê. Costuma-se afirmar que nestes espaços "o bode é rei".
  Cotidianamente, os animais são soltos pela manhã e recolhidos ao curral no fim do dia, quando um sino amarrado no pescoço de alguns deles - cuja tonalidade específica cada dono sabe reconhecer - ajuda na tarefa de localizar o rebanho. Cortes e marcações de ferro quente nas orelhas também diferenciam os bichos de cada um.
Criação de bodes soltos na Caatinga
  Comunidades que se organizam em torno dos fundos de pasto estão presentes num amplo espectro de áreas do Nordeste.
  É na Bahia onde tais grupos possuem maior visibilidade. Atualmente, existem cerca de 490 fundos de pasto identificados pelo governo estadual, espalhados por dezenas de municípios.  Usufruem deles cerca de 16 mil famílias, para quais a garantia de um futuro digno envolve uma questão fundamental: que esses territórios permaneçam como estão, pois tal modelo de criação facilita o acesso dos animais a água e a comida, principalmente nos períodos de estiagem severa, além de ser um bom exemplo de adaptação e convivência com o clima semiárido do sertão nordestino.

Fundo de pasto em Senhor do Bonfim - BA
FONTE: CAMPOS, André. Sobrevivência em regime de bode solto. Problemas Brasileiros, São Paulo, ano 47, n. 395, set./out. 2009.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

A MARÉ VERMELHA E A MARÉ NEGRA

  A proliferação descontrolada de algas, que pode ser desencadeada pela poluição das águas, representa um sério desequilíbrio natural. Essa reprodução acelerada, chamada de maré vermelha (as algas passam a concentrar nitrogênio, adquirindo coloração avermelhada), liberam toxina que causam grande mortandade de peixes. Levadas às praias pelo vento e pelas marés, podem causar intoxicação também nos seres humanos.
  Além de liberar substâncias tóxicas, a maré vermelha bloqueia a luz solar, pondo em risco a sobrevivência de inúmeras espécies marinhas.
  A maré vermelha é uma aglomeração de microplânctons dinoflagelados que raramente acontece em alguns determinados locais na superfície das águas. São seres unicelulares aglomerados em número suficiente para produzir uma mudança de cor na água que se torna amarela, alaranjada, vermelha ou marrom.
Maré vermelha na praia de Barra do Ceará, Fortaleza, em novembro de 2013
  Em todos os gêneros de vida livre e nos seus zoósporos, sempre existem dois flagelos. A maioria são seres autótrofos mas existem também algumas espécies sem pigmentos porque não realizam fotossíntese. O aumento das algas pode ser provocado pelas diatomáceas e cianobactérias. A reprodução é assexuada e possui dois pequenos flagelos.
  A ação das correntes marinhas e os ventos são outros motivos causadores da grande quantidade de algas e consequentemente da maré vermelha.
  Outro fator relevante para a proliferação das algas é a matéria orgânica que vem do esgoto e do lixo doméstico jogados no mar. A maré vermelha pode gerar um enorme problema para a humanidade e também para os seres que habitam os oceanos.
  Quando o fenômeno da maré vermelha atingir um determinado local, deve-se evitar o consumo de moluscos, mexilhões e as ostras que ficam na maré vermelha, pois o consumo desses seres vivos pode provocar a intoxicação e o envenenamento.
  O fenômeno da maré vermelha pode acontecer tanto em água doce quanto em água salgada.
Maré vermelha no rio Yang-Tsé, na China, em 2012
  Outra grande ameaça ao equilíbrio do ambiente marinho são os derramamentos de petróleo nas operações de carga e descarga dos navios petroleiros. O petróleo derramado contamina plantas e animais aquáticos. Esse problema é agravado pela subida das marés, que leva o petróleo para o litoral, atingindo a vida costeira. Nas plantas, o petróleo se acumula nas raízes, afetando sua sobrevivência. Nos animais, o óleo fecha os poros, impedindo a respiração da pele.
  A maré negra é um derrame que ocorre devido a um acidente ou prática inadequada que contamina o meio ambiente, especialmente o mar, devido a derramamentos de produtos petroleiros.
  Em pouco tempo, um pequeno vazamento de petróleo pode matar mais de um milhão de peixes e contaminar de 50 a 100 quilômetros de litoral. A coloração escura adquirida pelo mar e pelas praias em decorrência desse desastre ambiental recebeu a denominação de maré negra.
Maré negra provocada pelo derramamento de petróleo no Golfo do México - EUA, em 2012
  Os petroleiros derramam enormes quantidades de petróleo que, flutuando e alastrando progressivamente,  formam extensas manchas negras. Essas manchas são as chamadas marés negras. Com efeitos altamente destrutivos, elas provocam enormes agressões na fauna e flora marinhas, as quais são normalmente irreversíveis. Os produtos petrolíferos têm efeito negativo sobre toda a vida marinha e litoral onde atuam. As correntes marinhas facilitam a formação de marés negras, que se abatem sobre as praias e outras zonas costeiras.
  Os raios solares não ultrapassam a camada de petróleo formada. Assim, seres autotróficos fotossintéticos, como as algas, não podem realizar fotossíntese, processo metabólico do qual depende toda a biota marinha. O resultado é a proliferação generalizada de organismos anaeróbios, com consequente mortandade de peixes e de outros representantes da fauna e flora marinhas, num processo conhecido por eutrofização.
  A poluição dos mares e das zonas costeiras originada por acidentes com o transporte marítimo de mercadorias, em particular o petróleo bruto, contribui, anualmente, em 10% para a poluição global dos oceanos.
Quem mais sofre com o derramamento de petróleo são os animais
  Todos os anos, 600 mil toneladas de petróleo bruto são derramadas em acidentes ou descargas ilegais, com graves consequências econômicas e ambientais. Dos acidentes com petroleiros, que infelizmente não são raros, os mesmos derramam enormes quantidades de petróleo que, flutuando e alastrando-se progressivamente, formam extensas manchas negras.
  Quando as marés negras atingem as zonas costeiras, os seus efeitos tornam-se ainda maiores. Além de destruírem a fauna e a flora com elas em contato, provocam enormes prejuízos à atividade pesqueira e têm um forte impacto negativo na atividade turística, já que os resíduos petrolíferos, de difícil remoção, impedem durante muito tempo a utilização das praias.
Praia contaminada por óleo nos Estados Unidos, em 2010
FONTE: Tamdjian, James Onnig. Estudos de geografia: como funciona o mundo, 6° ano / James Onnig Tamdjian, Ivan Lazzari Mendes. -- São Paulo: FTD, 2012.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

O ESTADO ISLÂMICO

  O Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL) - atualmente chamado apenas de Estado Islâmico (EI) - é um grupo jihadista radical que conseguiu recrutar milhares de combatentes para lutar por seus ideais. Esse grupo surgiu a partir do Estado Islâmico no Iraque, o braço iraquiano da Al-Qaeda dirigido por Abu Bakr al-Bagdadi.
  O objetivo inicial do Estado Islâmico do Iraque era promover a fusão com o grupo jihadista sírio Frente Al-Nosra. Porém, a Al-Nosra negou-se a aderir a esse movimento e os dois grupos começaram a agir separadamente. O EI contesta abertamente a autoridade do chefe da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, e rejeitou o pedido feito por ele, no qual o grupo iraquiano deveria se concentrar no Iraque e o Al-Nosra na Síria.
  Em seu Estado auto-proclamado como um califado, o Estado Islâmico afirma a autoridade religiosa sobre todos os povos muçulmanos do mundo, cujo objetivo é controlar as regiões de maioria islâmica, começando pelo território da região do Levante, que inclui Jordânia, Palestina, Líbano, Chipre e Hatay, uma área no sul da Turquia. O grupo islâmico foi designado como uma organização terrorista estrangeira pelos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá, Indonésia, Arábia Saudita, pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pelas mídias do Ocidente e do Oriente Médio.
Território atual        Áreas controladas pelo Estado Islâmico      Áreas reivindicadas pelo Estado Islâmico         Restante do Iraque e da Síria
  No início, o grupo era composto e apoiado por vários grupos terroristas sunitas insurgentes, como o Al-Qaeda do Iraque (AQI), o Conselho Shura Mujahideen e o Estado Islâmico do Iraque (ISI), além de outros grupos insurgentes, como o Jeish al-Taiifa al-Mansoura, Jaysh al-Fatiheen, Jund al-Sahaba, Katbiyan Ansar al-Tawhid wal Sunnah e vários grupos tribais iraquianos que professam o islamismo sunita. Inicialmente, o objetivo do Estado Islâmico do Iraque era estabelecer um califado nas regiões de maioria sunita no país, mas, após o seu envolvimento na guerra civil síria, este objetivo se expandiu para incluir o controle de áreas de maioria sunita na Síria. Um califado foi proclamado em 29 de junho de 2014, tendo sido nomeado como califa Abu Bakr al-Baghdadi, e o grupo passou a se chamar Estado Islâmico.
Abu Bakr al-Baghdadi
  O crescimento do grupo se deu devido a sua participação na Guerra Civil Síria e ao seu líder Abu Bakr al-Baghdadi, motivado por denúncias de discriminação econômica e política contra árabes sunitas iraquianos desde a queda do regime secular de Saddam Hussein. No auge da Guerra do Iraque, seus antecessores tinham uma presença significativa nas províncias iraquianas de Al Anbar, Nínive, Kirkuk, na maior parte de Salah-ad-Din e regiões de Babil, Diyala e Bagdá, além de terem declarado Baquba como sua capital.
  O Estado Islâmico obriga as pessoas que vivem nas áreas que controla a se converterem ao islamismo, além de viverem de acordo com a interpretação sunita da religião e sob a lei xaria (o código de leis do islamismo). Aqueles que se recusam a seguir a lei islâmica sunita podem sofrer torturas e mutilações ou até mesmo serem condenados a pena de morte.
Membros do ISI
  O grupo é particularmente violento contra muçulmanos xiitas, assírios, cristãos armênios, yazidis (comunidade étnico-religiosa curda), drusos (comunidade religiosa autônoma), shabaks (grupo étnico-religioso que vive no norte do Iraque) e mandeanos (religião pré-cristã que tem a maior parte dos adeptos na região do Oriente Médio). O ISI tem pelo menos quatro mil combatentes no Iraque que, além de ataques a alvos militares e do governo, já assumiram a responsabilidade por ataques que mataram milhares de civis. O Estado Islâmico tinha ligações estreitas com a Al-Qaeda até o início desse ano (2014), mas em fevereiro, depois de uma luta de poder que durou oito meses, a Al-Qaeda cortou todos os laços com o grupo.
Mapa da Guerra Civil Síria e da insurgência iraquiana
  Controlado pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS)
  Controlado por outros rebeldes sírios
  Controlado pelo governo da Síria
  Controlado pelo governo do Iraque
  Controlado pelos curdos sírios
  Controlado pelos curdos iraquianos
  Território ocupado por Israel

FONTE: Portal de Notícias G1

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

JERUSALÉM: A CIDADE SAGRADA PARA AS TRÊS PRINCIPAIS RELIGIÕES MONOTEÍSTAS DO GLOBO

  Cidade de pedra numa paisagem de pedra, postada sobre planaltos calcários, a mil metros de altitude, abre-se para o árido deserto da Judeia e fica próxima ao estéril Mar Morto.
  Apesar do cenário adverso, há três milênios, desde que o rei Davi a conquistou dos jebuseus, e seu filho Salomão lá ergueu o Primeiro Templo, Jerusalém é o centro da cultura e da religião judaicas. Para os cristãos, é simplesmente o palco do maior drama de sua religião, a Paixão de Cristo. Para os muçulmanos, é a terceira cidade sagrada, após Meca e Medina.
  Quando as sirenes anunciam o shabat, o repouso sagrado judaico, os sinos das igrejas cristãs tocam, ou os muezzins chamam os fiéis para o culto islâmico, o poder de Jerusalém se manifesta em toda a plenitude.
  Há três dias de repouso religioso por semana - sextas-feiras (para os muçulmanos), sábado (para os judeus) e domingos (para os cristãos) - e uma infinidade de festas que, somadas, preenchem o ano inteiro. Os cultos se ignoram mutuamente, mas a religiosidade está no ar.
  Os judeus visitam a Cidade Velha para rezar junto ao Muro Ocidental (o chamado Muro das Lamentações, muralha remanescente do Segundo Templo). Os cristãos vêm para acompanhar a presumida rota de Jesus. Os muçulmanos vêm para tocar a pedra sob o dourado Domo da Rocha, de onde, ao que se diz, Maomé se elevou aos céus. Assim, Jerusalém é vital para as três religiões que, mesmo interligadas, vêm se confrontando por séculos e séculos.
Mapa da Cidade Velha de Jerusalém
  Para muitos, a palavra Yerushalavim (Jerusalém) é uma combinação das palavras em hebraico "yerusha" (legado) e "Shalom" (paz) - legado da paz. Para outros, "Shalom" é um cognato do nome hebraico "Shlomo" - Rei Salomão, o construtor do Primeiro Templo. Alternativamente, a segunda parte da palavra seria Salem (Shalem literalmente "completo" ou "em harmonia"), um nome recente de Jerusalém.
HISTÓRIA
  Jerusalém tem uma longa e rica história acentuada por seu significado religioso, simbólico e estratégico. Ela permanece como testemunho da vida e das culturas dos numerosos povos que ali reinaram. A longa história, sua importância central e o imaginário espiritual da cidade deram origem a uma vasta literatura sobre o passado de Jerusalém.
  Há mais de cinco mil anos, depois que um período de seca assolou a Península Arábica, os cananeus, tribos dos árabes semitas, vieram se estabelecer nos territórios a leste do mar Mediterrâneo que formam hoje a Síria, o Líbano, a Jordânia e a Palestina.
Localização de Jerusalém
  Os Jebusitas, um subgrupo cananeu, fundaram Jebus - Jerusalém - no lugar onde ela está localizada hoje e edificaram o primeiro muro ao seu redor, dotado de 30 torres e sete portões. Aproximadamente dois mil anos mais tarde, os filisteus, vindos de Creta, chegaram na terra de Canaã. Misturaram-se com as tribos cananeias e viveram na área sudoeste da moderna Palestina, sobre a costa do mar Mediterrâneo na atual área que se estende da Faixa de Gaza até Ashdod e Ashkelon. Os cananeus deram aos territórios que eles habitaram o nome bíblico de "A Terra de Canaã", enquanto os filisteus deram-lhe o nome de Filistina ou Palestina.
Muro de Jebusita, na cidade de Davi
  Os cananeus descobriram que estavam numa localização estratégica, cercada por poderosos impérios originários do Egito a sudoeste, através do mar Mediterrâneo a oeste, e a Mesopotâmia e Ásia a nordeste. Mil anos antes do nascimento de Cristo, os egípcios, assírios, babilônicos, persas, mongóis, gregos e romanos cresceram ao redor da terra dos cananeus e filisteus e a governaram por variados períodos de tempo.
  A posição geográfica da área significava que ela servia tanto como uma ponte entre os vários impérios regionais, como uma arena para lutas e conflitos entre eles. Em consequência, os cananeus nunca puderam estabelecer um Estado forte e unificado, e suas organizações políticas tomaram a forma de cidades independentes dotadas de governos ligados por relações federativas. Entre as cidades costeiras mais proeminentes dos filisteus, cananeus e fenícios que habitaram a atual área da Palestina estavam Beirute (Bairtuyus), Sidon, Tiro, Acre, Ashkelon e Gaza. As cidades cananeias do interior incluíam Jericó, Nablus (Shikim) e Jerusalém (Jebus). A religião dessas primeiras civilizações da Palestina era centrada na natureza: o céu era o Deus Pai e a Terra era a Mãe Terra. Esses povos semitas de Canaã formaram a base do tronco do qual descendem os palestinos de hoje.
Tribos da Palestina
  Por volta do século VIII a.C., Abraão veio de Ur, no sul da Mesopotâmia, para a terra de Canaã. Ele se estabeleceu nas cercanias do vale do Jordão. Abraão não era nem judeu nem cristão, mas um crente na unicidade de Deus. Ele é descrito no Gênesis como tendo adorado "o mais alto Deus". O Corão menciona que ele era um "muçulmano", não na acepção moderna de alguém que segue as leis reveladas no Alcorão, mas sim no sentido de Ter entregue "sua submissão à vontade de Deus". Assim, cristãos, judeus e muçulmanos ainda rogam por ele em todas as suas preces, como acreditam que Deus lhes exortou a fazerem.
  Agar, a concubina de Abraão, lhe gerou seu filho Ismael, de quem os atuais muçulmanos traçam a sua descendência. Porém, sua mulher Sara gerou-lhe o filho Isaac, do qual os atuais judeus traçam a sua linhagem. Abraão se mudou para um lugar perto de Hebron (Al-Khalil), onde viveu pregando o monoteísmo. Quando morreu, Ismael e Isaac sepultaram-no na mesma cova onde sua mulher Sara foi sepultada. Seu filho Isaac gerou Jacó (Israel), que viveu na região de Harran (Aram).
A partida de Abraão, por Jozsef Molnar
  Por volta de 1300 a.C., os doze filhos de Jacó (Israel) partiram para o Egito. Eles se integraram aos egípcios e José, o mais jovem dos filhos de Jacó, casou com a filha do sumo sacerdote. Originalmente era um pequeno grupo de pessoas que se multiplicara e ganhara força durante centenas de anos no Egito, tornando-se os israelitas. Foi no Egito que Moisés, o fundador do judaísmo e o mais eminente legislador e também profeta para as três religiões reveladas, nasceu e estudou filosofia egípcia, tornando-se letrado em todas as ciências dos egípcios. Moisés, juntamente com seu povo (B'nei Israel) deixaram o Egito por volta do século XIII a.C. e vagaram durante 40 anos no Sinai. Nesse tempo Moisés recebeu a Lei Divina (Os Dez Mandamentos) no monte Sinai (Tur).
Passagem bíblica em que Moisés abre o Mar Vermelho para a passagem dos israelitas
  Após a morte de Moisés, Josué assumiu a liderança dos israelitas e os conduziu para o oeste pelo rio Jordão até Canaã. A primeira cidade cananeia que Josué conquistou foi Jericó, destruindo-a juntamente com seus habitantes. Depois, ele assumiu o controle de Yashuu (Bayt Eli), Likihish e Hebrom, embora os filisteus tenham bloqueado o avanço do povo de Moisés rumo à costa, na área entre Gaza e Jafa, enquanto os cananeus impediram-nos de conquistar Jerusalém. Quando chegaram a Canaã, foram influenciados pelos cananeus e imitaram seus ritos religiosos, especialmente na apresentação de ofertas sacrificiais ao Deus Baal.
Mapa de Jerusalém durante o Antigo Testamento
  Nos 150 anos seguintes, os israelitas, filisteus e cananeus controlaram, alternadamente, porções da área da moderna Palestina, com os cananeus (jebusitas) controlando Jerusalém. Porém, nenhum grupo foi capaz de consolidar o controle sobre toda a área. Houve numerosas lutas entre os grupos, sendo que cada um mantinha sua própria cultura e independência.
  Por volta de 1000 a.C., o rei dos israelitas, Davi, pôde subjugar os pequenos estados de Edom, Moab e Amon. Durante sete anos ele fez de Hebron sua capital, mas, depois transferiu o centro do poder para Jerusalém.
  Após a morte de Davi, assume o trono o seu filho Salomão, que ganhou fama após ter erguido o lugar de adoração a Deus conhecido como Templo de Salomão. Para os judeus, esse templo tornou-se o centro da vida religiosa e o símbolo básico de sua unidade, além de ter sido um ponto de peregrinação emocional para o povo judeu.
Mapa da Palestina do Antigo Testamento
  Com a morte de Salomão seu reino foi dividido em dois: o Reino de Israel, ao norte, composto por dez tribos, com Samaria (Sebastia) como sua capital, e o Reino da Judeia, ao sul, composto por duas tribos, com Jerusalém como sua capital.
  Por volta de 720 a.C., os assírios, governados pelo rei Sargão, destruíram o reino israelita do norte. Em 600 a.C. os babilônios, sob o comando de Nabucodonosor, conquistaram o reino israelita do sudeste, destruindo o templo de Salomão no ano de 586 a.C. e, em ambos os casos, a maioria da população foi levada para a Assíria e a Babilônia, na Mesopotâmia, para servir como escravos e Jerusalém tornou-se colônia babilônica.
Mapa das Doze Tribos de Israel
  Por volta de 838 a.C., Ciro, rei dos persas, conquistou a Babilônia, prosseguindo suas conquistas até ocupar a Síria e a Palestina, incluindo Jerusalém e permitiu que os escravos de Nabucodonosor retornassem à Palestina. Com a volta dos israelitas foi construído o Segundo Templo, sendo concluído em 515 a.C..
  Com o florescimento do império grego, os gregos dominaram durante sete anos a Palestina, que depois passou a ser dominada pelo Egito (322-200 a.C.), quando os selêucidas da Síria conquistaram a Palestina e dominaram a região entre 200 e 142 a.C.. Nesse ano, o rei Antióquio IV, que tinha danificado o Templo de Salomão, forçou os judeus a renunciarem ao judaísmo e a abraçarem o paganismo grego.
  Por volta de 63 a.C. após os romanos terem subjugados os selêucidas na Síria, o general romano Pompeu assumiu o controle sobre Jerusalém. Com a ajuda dos romanos, Herodes se tornou rei da Judeia no ano 40 a.C., cujo reinado durou até a sua morte em 4 a.C.. Herodes o Grande, como era conhecido, dedicou-se a desenvolver e embelezar a cidade de Jerusalém. Ele construiu muralhas, torres e palácios, expandiu o Templo do Monte (Templo de Salomão) e reforçou o pátio com blocos de pedra que pesavam até cem toneladas.
Maquete do Templo de Salomão
  Em 6 d.C., a cidade, assim como grande parte da região ao seu redor, entrou sob o controle direto dos romanos, como já tinha acontecido na Judeia. Herodes e seus descendentes até Agipa II permaneceram reis-clientes da Judeia até o ano 96 d.C.
  O domínio romano sobre Jerusalém e região começou a ser contestada a partir da primeira guerra judaico-romana, quando houve a Grande Revolta Judaica em 70 d.C.. Nesse ano, durante o governo romano de Tito, os romanos infligiram aos judeus uma derrota devastadora. Tomaram Jerusalém, queimaram e destruíram totalmente o Templo de Salomão, além de subjugarem e expulsarem os judeus da Palestina. Os romanos ergueram uma nova cidade sobre as ruínas de Jerusalém, a qual eles denominaram de Aelia Capitolina, com referência ao imperador Aelius Adrianus.
Destruição do Templo de Salomão
  Em 132 d.C., ocorreu a Revolta de Bar Kokhba, uma rebelião de judeus contra o domínio romano no qual os judeus dominaram a cidade por três anos. Em 135 os romanos recapturaram a cidade e, como medida punitiva, Adriano proibiu os judeus de entrarem em Jerusalém e rebatizou toda a Judeia de Síria Palestina numa tentativa de des-judaizar o país. Essa proibição sobre os judeus continuou até o século IV. Em 395 Jerusalém tornou-se uma cidade bizantina e cristã. Embora a Palestina e seus habitantes, política e religiosamente, fizessem parte do império bizantino, a vida e a cultura dos cananeus locais permaneceram voltadas para Jerusalém.
Cerco romano e destruição de Jerusalém, por David Roberts
  Durante o século IV, o imperador Constantino I construiu partes católicas em Jerusalém, como a Igreja do Santo Sepulcro. Jerusalém obteve um grande crescimento populacional, chegando a possuir mais de 200 mil habitantes.
  Após um breve período de controle persa, a Palestina e a Síria deixaram de pertencer à Roma e passaram ao domínio do império árabe-islâmico. Jerusalém tornou-se a primeira direção das preces dos muçulmanos e a Palestina "os recintos que Deus abençoou".
Igreja do Santo Sepulcro
  Em 638, o segundo califa, Omar Ibn al-Khattab, chegou a Jerusalém. Omar acreditava que Alá ordenara respeito à santidade a cidade de Jerusalém e o respeito por Ahl al-Kitab (O povo do livro). De acordo com o islã, a liberdade de culto a Ahl al-Kitab em Jerusalém é uma dádiva de Deus e, por isso, não pode ser subtraída por mãos humanas. Assim, Omar não tomou a cidade pela força, mas de forma pacífica, instituindo a Convenção de Omar, um acordo que determinava o controle muçulmano sobre a cidade mas reconhecia o direito inalienável à liberdade de expressão para judeus e cristãos em Jerusalém.
  Omar confiou a duas famílias árabes muçulmanas em Jerusalém as chaves da Igreja do Santo Sepulcro. Ele agiu assim objetivando mandar uma mensagem aos muçulmanos de que a igreja era um templo sagrado e que não deveria ser danificado, desrespeitado ou violado, encontrando uma solução para amenizar as rixas existentes entre as várias seitas cristãs sobre quem deveria controlar a igreja. Das famílias árabes residentes na cidade, algumas se converteram ao islã imediatamente, enquanto outras mantém até os dias atuais a fé cristã. Entre essas famílias árabes cristãs e muçulmanas da velha Jerusalém estão os Khalidis, os Alamis, os Nuseibehs, os Judahs, os Nassars e os Haddads.
A Torre de Davi visto a partir de Vale Hinnom
  A lei muçulmana vigorou em Jerusalém e na Palestina desde o século VII até o começo do século XX, exceto durante o período das Cruzadas. Os cruzados capturaram a cidade em 1099, viram-na libertada pelos aiúbidas sob Saladino em 1187, sendo recapturada em 1229. Cerca de 15 anos mais tarde, os muçulmanos dominaram novamente Jerusalém, restabelecendo seu governo, e controlando a cidade até a ocupação britânica na Primeira Guerra Mundial, em 1917.
  As dinastias islâmicas - omíadas, abássidas, fatimidas, seldjúcidas, aiúbidas, mamelucos, otomanos e hashimitas - respeitaram o "status quo ante" instituído na Convenção de Omar. Todos eles participaram da reconstrução de Jerusalém, preservando a santidade de sua herança e desenvolvendo seu legado islâmico e árabe. Essas dinastias se esforçaram para reconstruir as mesquitas da Abóbada da Rocha e de al-Aqsa, referenciadas no primeiro verso da Sura 17 do Qur'na.
Captura de Jerusalém durante a Primeira Cruzada, em 1099
  Em 1517, Jerusalém e região caiu sob domínio Turco Otomano, que permaneceu no controle até 1917. Assim como grande parte do domínio Otomano, Jerusalém permaneceu como um provincial e importante centro religioso, e não participava da principal rota comercial entre Damasco e Cairo. No entanto, os turcos muçulmanos trouxeram muitas inovações: sistemas modernos de correio usado por vários consulados, o uso da roda para meio de transporte, diligências e carruagens, o carrinho de mão e a carroça, a lanterna a óleo, provocando a modernização da cidade. Em meados do século XIX, os otomanos construíram a primeira estrada pavimentada ligando Jaffa a Jerusalém e, em 1892, a ferrovia atingindo a cidade.
  Com a ocupação de Jerusalém por Muhammad Ali do Egito em 1831, missões e consulados estrangeiros começaram a se estabelecer na cidade. Em 1836, Ibrahim Pasa permitiu aos judeus reconstruirem as quatro grandes sinagogas, entre eles a Hurva.
Sinagoga Hurva, localizada na Cidade Velha de Jerusalém
  O controle turco foi reinstalado em 1840, porém, muitos egípcios muçulmanos permaneceram em Jerusalém. Judeus de Argel e da África do Norte começaram a se instalar na cidade, em número cada vez maior. Ao mesmo tempo, os otomanos construíram curtumes e matadouros perto dos lugares sagrados para os judeus e cristãos "para que um mau cheiro sempre incomode os infiéis". Nas décadas de 1840 e 1850, os poderes internacionais iniciaram um "cabo-de-guerra" na Palestina, tentando ampliar sua proteção ao longo do país para as minorias religiosas.
  Na década de 1860, novos bairros começaram a surgir fora dos muros da Cidade Velha com o objetivo de aliviar a intensa superlotação e o pouco saneamento que existia na cidade intramuros. O Composto Russo e Mishkenot Sha'ananim foram fundados em 1860.
Bairro Mishkenot Sha'ananim em Jerusalém
  Em 1917, após a Batalha de Jerusalém, o exército britânico, liderado pelo General Edmund Allenby, capturou a cidade e, em 1922, a Liga das Nações, sob a Conferência de Lausanne, confiou ao Reino Unido a administração da Palestina.
  De 1922 a 1948 a população total da cidade passou de 52.000 para 165.000 habitantes, sendo dois terços de judeus e um terço de árabes (muçulmanos e cristãos). A situação entre árabes e judeus na Palestina nunca foi tranquila. Sob o domínio britânico, novos subúrbios foram construídos no oeste e na parte norte da cidade e instituições de ensino superior, como a Universidade Hebraica, foram fundadas.
Universidade Hebraica de Jerusalém
  A medida que o Mandato Britânico da Palestina foi terminando, o Plano de Partilha das Nações Unidas de 1947 recomendou a criação de um regime internacional, em especial na cidade de Jerusalém, constituindo-a como um corpus separatum no âmbito da administração das Nações Unidas. O regime internacional deveria continuar em vigor por um período de dez anos, e seria realizado um referendo na qual os moradores de Jerusalém iriam votar para decidir o futuro regime da cidade. No entanto, este plano não foi implementado, porque a guerra de 1948 eclodiu enquanto os britânicos se retiravam da Palestina e Israel declarava-se independente.
  A guerra levou ao deslocamento das populações árabe e judaica na cidade. Cerca de 1.500 residentes do Bairro Judeu da Cidade Velha foram expulsos e algumas centenas tomados como prisioneiros quando a Legião Árabe capturou o bairro em 28 de maio de 1948. Moradores de vários bairros e aldeias árabes do oeste da Cidade Velha saíram com a chegada da guerra, mas alguns permaneceram e foram expulsos ou mortos.
Casas destruídas durante a Primeira Guerra Árabe-Israelense em 1948
  A guerra terminou com Jerusalém dividida entre Israel e Jordânia (até então chamada de Cisjordânia). Segundo o Plano de Partilha da Palestina, as áreas de Jerusalém e Belém ficariam sob controle internacional. O Armistício de 1949 criou uma linha de cessar-fogo que atravessava o centro da cidade e à esquerda o Monte Scopus como um exclave israelense. Arame farpado e barreiras de concreto separaram Jerusalém Oriental e Jerusalém Ocidental, e caçadores militares frequentemente ameaçavam o cessar-fogo. Após a criação do Estado de Israel, Jerusalém foi decretada a sua capital. A Jordânia anexou formalmente Jerusalém Oriental em 1950, sujeitando-a à lei jordaniana, em uma atitude que só foi reconhecido pelo Paquistão.
  A Jordânia assumiu o controle dos lugares sagrados na Cidade Velha. Contrariamente aos termos do acordo, foi negado o acesso aos israelitas aos locais sagrados judaicos, muitos dos quais foram profanados, e apenas foi permitido o acesso muito limitado aos locais sagrados cristãos. Durante este período, a Cúpula da Rocha e a Mesquita de al-Aqsa sofreram grandes renovações.
Plano de Partilha da Palestina
  Durante a Guerra dos Seis Dias em 1967, Israel ocupou Jerusalém Oriental e afirmou a soberania sobre toda a cidade, embora a ocupação e a posterior anexação do setor oriental tenham sido condenadas pelas resoluções 252, 446, 452 e 465 das Nações Unidas, além de contrariar a Quarta Convenção de Genebra. O acesso aos lugares sagrados judeus foi estabelecido, enquanto o Monte do Templo permaneceu sob jurisdição de um waqf islâmico (doação religiosa para muçulmanos ou para fins de caridade). O Bairro Marroquino, que era localizado adjacente ao Muro das Lamentações, foi desocupado e destruído para abrir caminho a uma praça para aqueles que visavam o muro. Desde a guerra, Israel tem expandido as fronteiras da cidade e estabelecido um "anel" de bairros judeus em terrenos vagos no leste da Linha Verde.
  No entanto, a aquisição de Jerusalém Oriental recebeu duras críticas internacionais. Na sequência da aprovação da Lei de Jerusalém, que declarou Jerusalém "completa e unida" capital de Israel, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou uma resolução que declarava a lei "uma violação do direito internacional" e solicitou que todos os Estados-membros retirassem suas embaixadas da cidade.
  O status da cidade, e especialmente os seus lugares sagrados, continuam a ser uma questão central no conflito palestino-israelense. Colonos judaicos ocuparam lugares históricos e construíram suas casas em terras confiscadas de palestinos, a fim de expandir a presença judaica na parte oriental de Jerusalém, enquanto líderes árabes têm insistido que os judeus não têm qualquer laço histórico com a cidade. Os palestinos encaram Jerusalém Oriental como a capital do futuro Estado palestino, embora permaneça sob ocupação israelense.
Planta da Cidade Velha de Jerusalém
GEOGRAFIA
  Jerusalém está situada no sul de um planalto na Judeia, que inclui o Monte das Oliveiras a leste e o Monte Scopus, a nordeste. A elevação da Cidade Velha é de aproximadamente 760 metros. A grande Jerusalém é cercada por vales e leitos de rios secos (wadis). Os vales do Cedron, Hinom e Tyropoeon se unem em uma área ao sul da cidade antiga de Jerusalém. O Vale do Cedron segue para o leste da Cidade Velha e divide o Monte das Oliveiras a partir da cidade propriamente dita.
  Ao longo do lado sul da antiga Jerusalém está o Vale do Hinom, uma ravina íngreme associada com a escatologia cristã bíblica com o conceito de inferno ou Geena.
Vale do Hinom
  O Vale de Tyropoeon começa na região noroeste próximo ao Portão de Damasco, dirige-se ao sudoeste através do centro da Cidade Velha para baixo do Reservatório de Siloé, e a parte inferior é dividida em duas colinas: o Monte do Templo no leste, e o resto da cidade no oeste. Hoje, este vale está escondido por destroços que se acumularam ao longo dos séculos.
  Nos templos bíblicos, Jerusalém foi cercada por florestas de amêndoa, azeitona e pinheiros. Ao longo de séculos de guerras e de negligência, estas florestas foram destruídas. Os agricultores da região de Jerusalém, então, construíram terraços de pedra ao longo das encostas para reter o solo, um recurso ainda em evidência na paisagem de Jerusalém.
Portão de Damasco
  O abastecimento de água sempre foi um grande problema de Jerusalém, intrincada pela rede de antigos aquedutos, túneis, reservatórios e cisternas encontradas na cidade.
  A cidade é caracterizada por um clima mediterrâneo, com verões quentes e secos, e invernos amenos e chuvosos. Cai neve normalmente uma ou duas vezes no inverno, embora a cidade experimente forte neve a cada três ou quatro anos em média.
  Janeiro é o mês mais frio do ano, com uma temperatura média de 8ºC, julho e agosto são os meses mais quentes, com temperaturas médias de 23ºC. As temperaturas variam muito do dia para a noite, e as noites de Jerusalém são tipicamente amenas, mesmo no verão. A precipitação média anual é de aproximadamente 590 milímetros, com o período das chuvas ocorrendo principalmente entre outubro e maio.
Jerusalém coberta de neve, em dezembro de 2013
  A maior parte da poluição do ar em Jerusalém vem do tráfego de veículos. Muitas das principais ruas da cidade não foram construídas para acolher um volume tão grande de veículos, levando a congestionamentos frequentes e grande quantidade de monóxido de carbono liberado na atmosfera. A poluição industrial dentro da cidade é baixa, mas as emissões provenientes de fábricas na costa mediterrânea podem se deslocar devido aos ventos e pairar sobre a cidade.
Reservatório de Siloé
CRÍTICA AO PLANEJAMENTO URBANO DE JERUSALÉM
  Os críticos dos esforços para promover uma maioria judaica em Israel dizem que as políticas de planejamento do governo são motivados por estudos demográficos que procuram limitar as construções da população árabe, promovendo, simultaneamente, as construções destinadas aos judeus.
  De acordo com um relatório do Banco Mundial, o número de violações em construções registradas entre 1996 e 2000 foi quatro vezes e meia superior nos bairros judaicos, mas foram emitidas quatro vezes menos ordens de demolição em Jerusalém Ocidental do que em Jerusalém Oriental. Os árabes de Jerusalém tinham mais dificuldades para receber a permissão de construir do que os judeus, e "as autoridades provavelmente agem mais contra os palestinos que constroem sem licença" do que contra os judeus que violam os processos de licenciamento.
Casas de palestinos sendo destruídas em Jerusalém, em julho de 2010
  Nos últimos anos, fundações judaicas privadas têm recebido permissão do governo para desenvolver projetos em terras disputadas, como no parque arqueológico Cidade de Davi, no bairro palestino de Silwan (ao lado da Cidade Velha), e o Museu da Tolerância no cemitério de Mamila (ao lado da Praça Tzion). O governo de Israel também está desapropriando terras palestinas para a construção do Muro da Cisjordânia, sob alegação de evitar ataques terroristas. Porém, os opositores acreditam que o planejamento urbano vem sendo usado como estratégia para a judaização de Jerusalém.
Igrejas e casas em Ein Kerem, situada entre as montanhas
POLÍTICA
  Atualmente Jerusalém é um município de Israel e também a sua capital e sede do governo, embora não seja reconhecida como tal pela ONU e pela União Europeia. A cidade é governada por um conselho municipal composto por 31 membros eleitos a cada quatro anos. Desde 1975, o presidente da câmara (prefeito) é eleito por sufrágio direto cumprindo um mandato de 5 anos e nomeando 6 deputados. O Ministério para Assuntos Religiosos israelita tem responsabilidade pelos locais sagrados da cidade, embora cada comunidade religiosa deva zelar pela preservação dos seus edifícios. Órgão à parte de prefeito e deputados, os membros do conselho da cidade não recebem salários, trabalhando de forma voluntária.
  A maioria dos encontros do Conselho de Jerusalém são privados, mas a cada mês, mantém uma sessão aberta ao público. Dentro do Conselho da Cidade, grupos políticos religiosos formam uma facção especialmente poderosa, possuindo a maioria dos assentos.
Suprema Corte de Israel
ECONOMIA
  Historicamente, a economia de Jerusalém foi sustentada quase que exclusivamente por peregrinos religiosos e era localizada longe dos maiores portões de Jaffa e Gaza. Os marcos religiosos de Jerusalém hoje permanecem a principal razão de visitantes estrangeiros, com a maioria dos turistas visitando o Muro das Lamentações e a Cidade Antiga.
  Durante o mandato britânico, uma lei foi estabelecida requerendo que todos os prédios fossem construídos de Meleke (tipo de material de construção encontrado na região da Palestina e utilizado desde a Antiguidade) para preservar a característica estética e histórica única da cidade.
  O parque industrial do norte de Jerusalém Har Hotzvim é a sede de algumas das maiores corporações de Israel, entre elas a Intel, a Teva Pharmaceutical Industries e a ECI Telecom.
  Desde o estabelecimento do Estado de Israel, o governo nacional tem permanecido como o maior investidor na economia de Jerusalém. O governo, centrado na cidade, gera um grande número de empregos e oferece subsídios e incentivos para novas iniciativas em negócios e empresas iniciantes.
Parque Tecnológico de Jerusalém
CULTURA
  Apesar de Jerusalém ser conhecida primeiramente pela sua significância religiosa, a cidade também é sede de muitos eventos artísticos e culturais, além de possui um grande número de museus. O Museu de Israel atrai cerca de um milhão de visitantes por ano, sendo um terço deles turistas. Os Pergaminhos do Mar Morto, descoberto na segunda metade do século XX nas cavernas de Qumran nas proximidades desse mar, estão hospedadas no Santuário do Livro. A Ala Nova funciona um extensivo programa de educação em arte. O Museu de Rockefeller, localizado no leste de Jerusalém, foi o primeiro museu arqueológico do meio oeste, tendo sido construído em 1938 durante o mandato britânico. O Museu Islâmico, localizado no Monte do Templo, foi estabelecido em 1923 e guarda muitos artefatos islâmicos.
Santuário do Livro
  Yad Vashem, o Memorial Nacional de Israel para as Vítimas do Holocausto, guarda a maior biblioteca do mundo de informações relacionadas ao holocausto. O complexo contém um museu de artes que explora o genocídio dos judeus através das exibições que focam em histórias pessoais de indivíduos e famílias mortas durante a Segunda Guerra Mundial.
  O Teatro Nacional Palestino é o único centro cultural árabe do leste de Jerusalém e procura novas ideias e abordagens inovadoras para a auto-expressão palestina.
Biblioteca Nacional de Jerusalém
SIGNIFICADO RELIGIOSO
  Jerusalém possui um papel importante para as três principais religiões monoteístas do globo: o islamismo, o judaísmo e o cristianismo. O Livro Anual de Estatística de Jerusalém listou 1.204 sinagogas, 158 igrejas e 73 mesquitas dentro da cidade. Apesar dos esforços em manter a coexistência pacífica religiosa, alguns locais, como o Monte do Templo, tem sido constantemente fonte de atritos e controvérsias.
  Jerusalém é sagrada para os judeus desde que o Rei Davi a proclamou como sua capital no século 10 a.C.. Na cidade foi construído o Templo de Salomão e o Segundo Templo. Ela é mencionada na Bíblia 632 vezes. Hoje, o Muro das Lamentações, um remanescente do muro que contornava o Segundo Templo, é o segundo local sagrado para os judeus, perdendo apenas para o Santo dos Santos, no próprio Monte do Templo. Sinagogas ao redor do mundo são tradicionalmente construídas com o seu Aron Hakodesh (receptáculo ou pequeno recinto ornamentado que contém os Sifrei Torá - rolos da Torá, livro sagrado dos judeus - voltado para Jerusalém, e as de dentro da cidade voltado para o Santo dos Santos. Orações diárias são recitadas em direção a Jerusalém e ao Monte do Templo.
Muro das Lamentações
  O cristianismo reverencia Jerusalém não apenas pela história do Antigo Testamento mas também por sua significância na vida de Jesus. De acordo com o Novo Testamento, Jesus foi levado para Jerusalém logo após o seu nascimento e depois em outra passagem quando limpou o Segundo Templo. O Cenáculo que se acreditava ser o local da última ceia de Jesus, é localizado no Monte Sião, no mesmo prédio que sedia a tumba de Davi.
  Outro lugar proeminente cristão em Jerusalém é o Gólgota, o local da crucificação de Jesus. O Evangelho de João o descreve como sendo localizado fora de Jerusalém, mas evidências arqueológicas recentes sugestionam que Gólgota fica a uma curta distância do muro da Cidade Antiga, nos confinamentos atuais da cidade.
Provável Monte Gólgota
  Jerusalém é considerada a terceira cidade sagrada do Islamismo. Aproximadamente um ano antes de ser permanentemente trocada por Medina e Meca, a qibla (direção da oração) para os muçulmanos era Jerusalém. A permanência da cidade no Islã deve-se primariamente de acordo com a Noite de Ascensão de Maomé (620 d.C.). Os muçulmanos acreditam que Maomé foi miraculosamente transportado em uma noite de Meca para o Monte do Templo em Jerusalém, onde ele ascendeu ao Paraíso para encontar os profetas anteriores do Islão. O primeiro verso do Al-Isra do Alcorão notifica o destino da jornada de Maomé como a Mesquita de Al-Aqsa (a mais distante), em referência à sua localização em Jerusalém. Atualmente, o Monte do Templo é coberto por dois marcos islâmicos para comemorar o evento - a Mesquita de Al-Aqsa, derivada do nome mencionada no Alcorão, e a a Cúpula da Rocha, que fica em cima da Pedra Fundamental, na qual os muçulmanos acreditam que Maomé ascendeu ao céu.
Cúpula da Rocha visto através do Portão do Algodão
FONTE: Garcia, Valquíria Pires. Projeto radix: geografia / Valquíria Pires Garcia -- Beluce Bellucci. -- 2. ed. -- São Paulo: Scipione, 2012. -- (Coleção projeto radix)